Por que o Exército de Putin está passando vergonha?

A AFP (Agence France-Presse) explicou o fiasco ucraniano de Vladimir Putin em cinco pontos.

O primeiro deles é que os ucranianos estão se preparando para a agressão russa há oito anos, desde que o carniceiro do Kremlin tomou a Crimeia.

Os ucranianos sabiam que os Estados Unidos e a OTAN não viriam em seu socorro, por isso se adestraram e se armaram para o combate urbano, com o propósito de “fazer Moscou sangrar e tornar a ocupação insustentável”.

O segundo ponto é o conhecimento do território. Os tanques russos, atolados na lama, são um alvo fácil para as tropas especiais ucranianas, que usam táticas de guerrilha.

O terceiro é Volodymyr Zelensky, que inspirou seu Exército e seu povo.

O quarto ponto é a estupidez estratégica dos invasores, que dispersaram suas tropas nos primeiros dias de guerra e se expuseram ao contra-ataque de Kiev.

O quinto e último ponto é o terror psicológico. Os soldados russos “foram enviados para a guerra em um país vizinho cujos habitantes são eslavos e onde muitos falam russo como língua materna”. O elevado número de baixas derrubou ainda mais a moral.

O meu pitaco neste post é o seguinte: a estratégia ucraniana foi bem-sucedida nos primeiros treze dias de batalha, mas ela foi pensada para durar treze anos.

Putin pode ocupar Kiev e nomear um fantoche como presidente, mas vai continuar a sangrar enquanto estiver em território ucraniano. Ele criou um novo Afeganistão, e seu destino será o mesmo de seus predecessores.

Diretor do Jornal Sexta, nascido e criado em Viamão.