Família da Vila Elsa cria vaquinha online para comprar cadeira de rodas para menino

Equipamento que Anthony Miguel Batista Gomes precisa não é oferecido pelo SUS

Após ser vítima de um afogamento acidental, no final de 2020, Anthony Miguel Batista Gomes, três anos e oito meses, vive com sequelas de paralisia cerebral. Atualmente, a família, que mora na Vila Elsa, em Viamão, batalha para conseguir juntar dinheiro e comprar uma cadeira de rodas postural infantil com encosto reclinável. O modelo ideal para o menino é o carrinho Kimba Neo 2, que não é oferecido pelo SUS, e possibilitará que ele fique acomodado de forma mais confortável.

De acordo com a mãe da criança, Maiara Daiana Batista Acunha, 25 anos, o acidente ocorreu enquanto a família passava o Natal no sítio de um amigo, na mesma cidade em que moram. Por conta de um descuido, o menino, que na época tinha dois anos e seis meses, caiu na piscina. Quando foi encontrado, foram feitas diversas tentativas de ressuscitação que não surtiram efeito. A família levou o menino para o Instituto de Cardiologia – Hospital de Viamão e, somente após 13 minutos, conseguiram ressuscitá-lo.

– Por conta da falta de oxigenação no cérebro, ele teve paralisia cerebral. Hoje ele não fala, não anda e não se alimenta pela boca – explica a mãe.

Equipamento

Maiara conta que a cadeira de rodas especial possui vários suportes que as cadeiras tradicionais não têm. O custo varia de R$ 12 mil a R$ 17 mil. Por isso, a família criou uma vaquinha online para arrecadar recursos e realizar a compra. A utilização deste modelo se faz ainda mais necessária porque o menino tem escoliose, e a cadeira ajudará a melhorar sua postura. Além disso, o sistema da cadeira permite que, de certa forma, a criança fique em pé.

– Esse carrinho vai facilitar muito as atividades, como trocas de fraldas e saídas para consultas – detalha Maiara.

Outra vantagem do equipamento é o fato de que ele se ajusta ao crescimento da criança. Assim, poderá ser utilizado durante boa parte da infância de Anthony Miguel.

Recomeço

Mensalmente, a família gasta com medicações, fraldas, consultas, gasolina e alimentação especial cerca de R$ 2 mil. Atualmente, recebe um auxílio do governo que possibilita cobrir parte destes gastos. Mas, outras despesas, como água, luz e aluguel, comprometem todo o orçamento.

Desde que a vaquinha foi criada, em fevereiro de 2021, a família conseguiu arrecadar R$ 8 mil para a compra do equipamento. No entanto, o auxiliar de serviços gerais Clêiton Egiã Santos Gomes, 27 anos, pai de Anthony, perdeu o emprego nos primeiros meses da pandemia. Na mesma época, o menino teve alguns problemas de saúde, e as despesas hospitalares fizeram com que a família precisasse utilizar todo o dinheiro. Hoje, ao entrar no link da vaquinha, aparece o valor de R$ 8,2 mil. No entanto, Maiara afirma que o saldo da conta está zerado:

– Tivemos que retirar o valor arrecadado para pagar algumas despesas e, agora, não tem nada. Se eu coloco para ver o saldo, aparece que está zerado.

SAIBA COMO AJUDAR
Para contribuir com a vaquinha online, acesse o link vaka.me/1806175 ou entre em contato com a mãe do menino pelo telefone (51) 99751-4417 ou pelo perfil no Instagram @anthony.miguel.2.

Jornal Sexta, imprensa livre e independente. De Viamão para toda a Região Metropolitana de Porto Alegre e para o mundo. Desde 2010 (quando era ainda impresso), e para sempre.