Pedágio na RS-118 é o ponto mais polêmico das próximas concessões de rodovias estaduais

Projeto prevê praça em Gravataí, próximo à freeway e a acessos a municípios vizinhos, provocando críticas de prefeitos e empresários . . .

Um dos pontos mais polêmicos das próximas rodadas de concessão rodoviária no Rio Grande do Sul envolve a instalação de um pedágio na RS-118 em Gravataí, próximo à freeway e a acessos a municípios vizinhos.

O Piratini já levou a leilão o primeiro de três blocos rodoviários, que reúne Serra e Vale do Caí, e pretende publicar editais para outros dois conjuntos de estradas nas próximas semanas. Um deles inclui o trecho metropolitano da RS-118.

Por se localizar em um trecho urbano de alto fluxo e perto de cidades com baixo PIB per capita, a exemplo de Alvorada (pior desempenho gaúcho, com R$ 13,5 mil) ou Viamão (490º lugar, com R$ 15,8 mil), há um movimento de prefeitos e empresários contra a instalação da praça.

O governo do Estado fez quatro versões do plano de concessão com diferentes cenários para essa estrada – um deles sem pedágio, com poucas chances de sair do papel, e os demais com localizações alternativas.

— A decisão final será técnico-política, e deverá ocorrer nas próximas semanas — revela o secretário de Parcerias, Leonardo Busatto.

A implantação das cancelas encontra resistências entre os prefeitos da região e motivou a criação de um movimento chamado RS-118 Sem Pedágio.

— O entendimento dos prefeitos é contrário a essa praça, especificamente, em virtude de Alvorada ser um dos municípios mais pobres do Estado. Por isso, já emitimos uma nota nesse sentido. Não somos contra as privatizações, mas não é possível penalizar uma região que tem dificuldades econômicas — afirma o presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) e prefeito de Nova Santa Rita, Rodrigo Battistella.

Coordenador do movimento antipedágio na 118 e diretor regional da Federação das Associações Comerciais do Estado (Federasul), Darcy Zottis afirma que o grupo está tentando uma audiência com o governador Ranolfo Vieira Júnior por meio de parlamentares favoráveis à causa. No ano passado, representantes do movimento se encontraram com o então governador Eduardo Leite, mas não tiveram resposta favorável às demandas.

— Colocar um pedágio naquele trecho da RS-118 seria como implantar uma praça na BR-116 entre a Capital e Novo Hamburgo — compara Zottis.

Busatto observa que a concessão é fundamental para a duplicação do trecho sul da 118, considerada uma medida estratégica para o Estado.

— São Paulo e Rio de Janeiro têm praças de pedágio em rodovias metropolitanas há décadas, e isso nunca foi problema por lá. Não impediremos ninguém da região de vir para a Capital, há várias outras rotas possíveis — sustenta o secretário estadual de Parcerias.

Jornal Sexta, imprensa livre e independente. De Viamão para toda a Região Metropolitana de Porto Alegre e para o mundo. Desde 2010 (quando era ainda impresso), e para sempre.