Governo tem que ser para a MAIORIA

Não concordo com esse papo de “governo para todos” que o Lula está prometendo se vencer as eleições. O governo tem que ser para a maioria do povo. Sem essa de contemplar também os grandes empresários, banqueiros, milicos, ruralistas, evangélicos e a classe média. Essa gente já foi favorecida durante 500 anos.

Agora é vez dos que criam a riqueza do País serem beneficiados. É a hora das mulheres, negros, indígenas, jovens assumirem o protagonismo do Brasil. Oncinha pintada, coelhinho peludo, zebrinha listrada, vão sifudê.


VIVA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Quero que deus me arranque os dois olhos se é mentira o que vou escrever.

Pasmem. O general Heleno está baixando a calcinha da primeira dama, Michele Bolsonaro.

Dizem que foi o próprio Bolsonaro que pediu para a sua esposa fazer este sacrifício em nome da sua reeleição.

Em troca, o Heleno, junto com outros generais, garantiriam o golpe militar caso o milico seja derrotado nas urnas.

Eu tenho provas.

Veja a foto abaixo.



Sim. A histíoria que acabei de contar é ficção.

Mas não é meme. É liberdade de expressão. Não é isso que o milico defende?

Estou só dando um exemplo do que as fake news podem fazer com a reputação das pessoas.


PRESENTÃO DO MILTON PARA O LULA

O grande Milton Nascimento vai dar um presentão para o Lula a partir de agosto quando começa a turnê de despedida de sua gloriosa carreira de interprete e compositor.

Serão vários shows pelo Brasil, e até no exterior. Parece que vai ter um no Maracanã. Imaginem se o povo não vai encerrar o show com o dingle LULA LÁ.


ASCENÇÃO E QUEDA DA GLOBO

A Rede Globo já foi muito poderosa. A emissora, durante longos anos “dirigiu” o Brasil, a ponto de escolher o Presidente da República como aconteceu na eleição de Fernando Collor de Melo, em 1989.

Na época a esquerda vinha num crescente por conta da abertura política e no retorno de vários líderes políticos que estavam no exílio. O mais importante deles, Leonel Brizola, oxigenou o ar poluído deixado pela ditadura.



Nesta mesma década surgiu o Partido dos Trabalhadores, tendo como expoente e grande líder, Luiz Inácio Lula da Silva.

Surgiram vários partidos alinhados a centro esquerda.

O PSDB de Mário Covas e Fernando Henrique foi um desses partidos.

O MDB de Ulisses Guimarães, Pedro Simon, Tancredo Neves e tantos outros que entraram para a história brasileira pelo combate à ditadura militar.



Eram todos políticos progressistas.

Mesmo com todo este quadro favorável para a eleição de um político de esquerda depois de 30 anos de ditadura, a cobra velha da direita, a Rede Globo, na figura de seu presidente, Roberto Marinho, armaram um golpe contra a provável vitória de Lula naquela eleição.

Collor de Melo era governador de Alagoas e na época havia um clamor popular no País contra os salários exorbitantes dos deputados que eram chamados de marajás. Collor cortou numa canetada os salários dos deputados de Alagoas, mesmo sabendo que o ato era inconstitucional. Pronto, virou herói nacional. O povo gostou e Collor passou a fazer parte dos palanques das DIRETAS JÁ.



Eu presenciei num ato em frente à prefeitura de POA, um grande comício com mais de 10 mil pessoas. Lá estavam, nada menos que, Fernando Henrique; Lula; Ulisses Guimarães; Brizola; Miguel Arraes e vi Collor sendo ovacionado pelo povo quando foi chamado no palanque para pedir por democracia.

A direita precisava achar um nome que defendesse os seus interesses e esse nome não estava entre os velhos e desgastados políticos da velha guarda como Paulo Maluf ou Antônio Carlos Magalhães. Tinha que ser alguém fora daquele eixo político reacionário. Aí a cobra velha deu um tiro certeiro na esquerda.

Em um jantar na Tailândia, Roberto Marinho e sua quadrilha de banqueiros e empresários escolheram Fernando Collor, o Caçador de Marajás, como candidato às eleições de 1989.

Mais uma vez perdemos a eleição.

Agora os tempos são outros, mas a Rede Globo e sua corja não desistiram ainda de um nome da terceira via. A cobra velha já fez muito mal para o Brasil, desde o golpe militar que ela apoiou. Foi também responsável pela eleição do milico.

Agora estão tentando, mais uma vez, tirar um Collor da cartola.

Hélio Ortiz é professor, produtor cultural, e foi Secretário Municipal da Cultura e Esporte de Viamão durante os governos do PT.