Moradores pedem manutenção em rua na Vila Augusta Meneghini

Alguns moradores da região compram e colocam aterros e pedras perto das casas para poderem acessar os pátios com os carros. Além disso, há uma vizinha, já idosa, que depende do transporte de ambulância para poder realizar seus exames no hospital. No entanto, este tipo de veículo enfrenta grandes dificuldades em trafegar pela via e chegar ao endereço . . .

O motorista de ônibus Rui Cafarete, 57 anos, há duas décadas morador da Rua Vila Velha, no bairro Augusta Meneghini, em Viamão, está preocupado e sentindo-se desamparado por conta da falta de manutenção na via em frente à sua casa. O local é uma estrada de terra, com muitos buracos, que precisa de patrolamento e ensaibramento há mais de cinco anos, diz Rui.

– Antes, solicitávamos patrolamento e logo éramos atendidos. Mas, desde 2016, só ouvimos promessas – lamenta.

Ele e seus vizinhos já abriram diversos protocolos junto à prefeitura nos últimos anos, dentre eles: 10/041972, 027101/2019, 015109/2020 e 002636/2022 – o mais recente, feito em janeiro, pelo motorista. Entretanto, o único retorno que obtiveram foi de que deveriam aguardar, sem um prazo definido.

Intransitável

De acordo com o morador, alguns moradores da região compram e colocam aterros e pedras perto das casas para poderem acessar os pátios com os carros. Além disso, há uma vizinha, já idosa, que depende do transporte de ambulância para poder realizar seus exames no hospital. No entanto, este tipo de veículo enfrenta grandes dificuldades em trafegar pela via e chegar ao endereço, conta Rui:

– Eu pago uma van escolar para o meu filho, mas ela não consegue chegar até a minha casa, porque, na volta, a subida é muito complicada.

De acordo com o motorista, quando chove, a rua fica empoçada, com barro e a situação só piora:

– Torna-se intransitável tanto para carros quanto para pedestres.

Rui conta que, ao longo desses anos, tentou conversar, de maneira informal, com servidores da Secretaria Municipal de Obras e de Serviços Públicos, na tentativa de ser atendido. Mas, sem sucesso, sentiu que não foi escutado como deveria e continuou sem obter um retorno preciso sobre a situação de sua rua.

Jornal Sexta, imprensa livre e independente. De Viamão para toda a Região Metropolitana de Porto Alegre e para o mundo. Desde 2010 (quando era ainda impresso), e para sempre.